A educação em Jundiaí

Em 1983, foi feito um levantamento de quantos alunos estava composta a rede escolar de Jundiaí. Os números indicavam aproximadamente 1.200 alunos, segundo jornais da época. A Secretaria Municipal da Educação possuía cerca de 380 funcionários, dos quais 115 eram professores. Funcionavam quatro escolas, que atendiam apenas o Jardim.

O Ministério da Educação, que fez um levantamento em Jundiaí em 2005, constatou que a educação no município havia apresentado crescimento extraordinário. O número de escolas passou para 113 unidades, nas quais trabalhavam aproximadamente 1.500 professores. A Secretaria da Educação tinha perto de 3.000 funcionários e o número de alunos chegava a quase 35 mil, sendo 1.300 nas creches, 9.928 na pré-escola, 274 na educação especial, l7.733 no ensino fundamental (de 1ª. A 4ª. Séries), 493 no ensino fundamental (5ª. A 8ª.) e educação de jovens e adultos 5.000. O ensino fundamental representava quase 53% do total de alunos e a pré-escola perto de 30%.

Hoje, em 2008 a Secretaria da Educação e Esportes continua a apresentar números expressivos. Já são 124 unidades escolares. Em. três anos foram construídas 13 novas escolas e reformadas perto de 100 unidades. O número de alunos chega a quase 40 mil. Constata-se, porém, que nas creches e na pré-escola esteja ocorrendo uma queda do número de alunos, provavelmente, por dois fatores: queda da natalidade e aumento das matrículas na rede privada, que continua respondendo satisfatoriamente à demanda.

Embora sem uma universidade, a cidade possui inúmeros cursos superiores e inclusive de pós graduação. Há escolas técnicas de bom nível e o Senai e a Fatec dão um grande respaldo à formação de mão-de-obra qualificada para as indústrias aqui instaladas. A Faculdade de Medicina mantém a sua reputação de qualidade e a Faculdade de Educação Física continua a formar bons profissionais.

No ano de 2007, a Secretaria tinha um orçamento de R$ 135 milhões, dos quais 68 por cento com a folha de pessoal, 19% com o custeio e 13% com investimentos. O orçamento de 2008 foi para R$ 160 milhões. Sua dotação orçamentária tem sido superior ao orçamento de mais de 85% dos municípios brasileiros. Para 2009 calcula-se que seu orçamento será superior à arrecadação total dos municípios de Várzea e Campo Limpo Paulista, que em conjunto possuem perto de 180 mil habitantes.

A preocupação com a educação em Jundiaí vem de longe. Encontramos nos anais da Câmara Municipal de Jundiaí várias sessões que tratam de assuntos relacionados com a ensino escolar. Em 1891, 9 professores trabalhavam na cidade. Eles se reportavam ao Diretor Geral de Instrução Pública. Todas as transferências de professores dependiam de anuência do Congresso Estadual (Assembléia Legislativa). Havia um Conselho Municipal, que acompanhava o comparecimento ou falta dos professores e recebia semanalmente um mapa com as presenças dos alunos. Os pais dos alunos faltosos eram chamados por esse Conselho para explicações. Conforme o caso, o assunto ia parar na Justiça. Havia também um fundo escolar que realizava investimentos nas escolas e era administrado pelo Diretor Geral de Instrução Pública e pela Câmara Municipal. Em 1891, existia neste fundo a importância de 8$800( oito mil e 800 réis), uma ninharia.

Se o município continuar a crescer no ritmo dos últimos 25 anos, vai precisar até o ano 2.035 de aproximadamente 110 novas escolas, 1.200 professores e pelo menos mais 2 mil funcionários. Porém, o maior desafio virá da área orçamentária, que terá que buscar novas fontes de renda para atender a demanda, que exigirá melhor qualificação dos professores, maior presença dos pais nas decisões e uma preparação mais adequada do Conselho Municipal de Educação, hoje muito carente de informações básicas da evolução do mercado. Até o ano de 2.035, alguns especialistas apontam que vão surgir no mundo cerca de 2.000 novas profissões e entre elas muitas ligadas à educação até à Oitava Série. Desafios não faltam.